Tudo sobre a minha septoplastia e como mudei a minha vida

Tudo sobre a minha septoplastia e como mudei a minha vida

Sim, leram bem, de Maio para cá a minha vida mudou completamente! Tudo graças a uma septoplastia (de que eu morria de medo!)… Já vos tinha dito que sofro muito de rinite alérgica e de outras condicionantes no meu querido narizinho! Hoje venho partilhar convosco tudo sobre a septoplastia! Porque muita gente me pergunta se doeu, se foi dificil a recuperação… Ainda não tinha tido vontade de falar sobre isso, mas o blog pretende ajudar quem nos procura; por isso, se partilhar a minha experiência ajudar uma única pessoa que seja… já será bom! 🙂

Vamos lá então:

Primeiro é preciso referir que cada caso é um caso e que aqui não vou debater o que é melhor para A, B ou C. Vou apenas partilhar convosco, como correu a minha experiência; que em nada pode ser semelhante com a tua!

Desde há muito tempo que sofro de rinite alérgica; mas para acrescentar também tinha o septo nasal torto; atrofia dos cornetos e um quisto! Então a médica optou por “ajeitar” tudo! Inicialmente tremi, porque toda a gente sempre me disse que é uma recuperação muito dificil, dolorosa e demorada! Hoje venho partilhar a minha experiência convosco, precisamente pelos motivos contrários!

Não estou com isto a dizer que não foi nada, que não é chato ou que não demora! Mas se fizerem tudo direitinho, custa menos do estar com o período! ah ah

A verdade é que eu suporto bem a dor e não sou muito queixinhas; para além disso acho que a dor e o incomodo é relativo; porque cada um suporta de forma diferente. No geral a minha recuperação foi chata, mas não foi o inferno que eu estava á espera e que toda a gente me tinha pintado!

A preparação da cirurgia

Já é de conhecimento geral que antes de uma cirurgia devemos estar em jejum; pelo que no dia antes fiz uma boa (mas leve) refeição; e antes de me deitar bebi um iogurte liquido; para ajudar a não sentir fome ao acordar.

Fui dormir bem cedinho, para estar descansada; e porque sabia que a ansiedade e os nervos não me deixariam dormir tanto quanto gostaria.

Assim que acordei, evitei a cozinha; vesti-me rápido e fui directa para o carro! Cheguei ao hospital eram 9horas, a hora marcada de entrada; no entanto fui informada que para internamento só permitiam a entrada ás 9h30! 🙁 30minutos de sono que perdi…

A manhã passou a correr apesar de estar literalmente á espera para ser chamada! Mas fui bem equipada (livro, iPad, net) tudo para me manter ocupada e distraida.

Só vesti a “bata” quando a enfermeira disse que tinha mesmo de ser! Não sou uma paciente rebelde, mas não gosto mesmo nada de vestir a roupinha arejada dos centros hospitalares!!! 😛

2 auxiliares vieram-me buscar ao quarto, era a hora!!!! uhhhh Estou a brincar, a verdade é que antes de me submeter á cirurgia li imenso; e para além disso tenho plena confiança na minha médica; por isso na verdade estava bem. Não posso dizer que estava calma, como se fosse para a praia; mas estava serena e tranquila!

Assim que cheguei ao bloco operatório, fui informada de tudo o que estava a ocorrer; e fui sempre conversando com o pessoal de serviço. E quando fui anestesiada, o anestesista disse-me exactamente o que ia acontecer; e eu adormeci quando ainda lhe respondia a algo, coisa que ele me tinha dito que ia ocorrer! 😛

O acordar

Esta foi sem dúvida a parte mais incomoda de todo o processo: o acordar

Tenho a noção de ter acordado por breves segundos uma ou outra vez, com a diferença de poucos minutos; mas não sei especificar. Sei disto porque na área de recobro estava mesmo em frente ao relógio e tenho uma necessidade muito grande de controlo e de me situar assim que acordo. (Talvez hábito de quando era hospedeira de bordo, e acordava tantas vezes em hotéis; muitas vezes ainda pedrada de cansaço; tinha de respirar fundo e pensar “Em que ponto do planeta estou?”)

Após estes “mini-acordar” acordei e imediatamente a seguir senti um mal-estar e uma atrapalhação: estava entubada! Eu sabia que assim seria, mas fiquei atrapalhada na mesma, compreendam: fui operada ao nariz, portanto tinha essa zona toda tapada com gazes e afins; e na minha perspectiva imediata, tinha algo a perturbar-me a respiração pela boca! Foram 10 segundos conturbados! Ainda que o enfermeiro me repetisse “Respira pela boca, tu consegues”; eu em pânico, pura e simplesmente não o ouvia! Claro que entretanto ele estava a retirar-me o tubo, o que veio complicar mais a situação porque eu não facilitei, e senti o tubo a sair da garganta, como se me arranhasse…. 2 segundos depois estava a respirar e recuperei a tranquilidade e boa disposição!

O enfermeiro garantiu-me que era uma situação recorrente, e eu senti-me estúpida, por saber que entrei em pânico, quando estava em plena consciência de todas as variáveis!! Mas… o medo e o pânico fazem precisamente isso!

Ultrapassada esta situação ainda fiquei na zona de recobro cerca de 60 minutos. Ainda numa fase entre o acordar e o dormitar.

Quando me levaram para o quarto já era eu! Plena, bem disposta e consciente! Tudo estava ultrapassado!

A primeira noite

Passei o resto da tarde e inicio da noite a adormecer e acordar. Sentia-me bem, mas a anestesia ainda tinha o seu efeito em mim; aproveitei para descansar. De qualquer forma não havia muito que pudesse fazer!

Esta primeira noite foi passada em jejum. Mas já podia molhar os lábios e beber golinhos de água muito pequeninos. Assim foi de 20 em 20 minutos (basicamente cada vez que acordava) molhava os lábios! Que era o incomodo maior que sentia.

Quanto ao nariz em si, a enfermeira mudou-me o penso aproximadamente de 3 em 3 horas; e na manhã seguinte ensinou-me a mudar; coisa que passei a manhã a fazer para treinar! Em casa seria eu a fazê-lo; e se há coisa que não suporto é estar suja; ainda que fosse com o meu sangue ou “ranhoca”!

A dor não era muita, claro que sentia o nariz “amassado” e desconfortável; e tinha a cara toda inchada; mas felizmente não fiquei com nódoas negras. Claro que não podia tocar na cara, porque o desconforto aí passava a dor… e nem conseguia rir por estar toda inchada!

A recuperação

No dia seguinte tive alta; e “fugi” logo para casa! Só queria estar no meu conforto; e aqui que ninguém nos ouve, longe da minha colega de quarto que ressonou toda a noite!!!

Basicamente os 5 primeiros dias são os mais chatinhos, porque ainda me sentia muito em baixo e não me apetecia fazer nada, passei estes dias na cama e no sofá. Ah e isso de que se tem de dormir de pé, ou sentado é treta! Convém dormir com a cabeça ligeiramente levantada, mas nada que 2 almofadas não proporcionem!

Fui limpando o nariz com todo o cuidado do mundo; tomei a medicação direitinho como a médica mandou; e tive alguns cuidados extra, como: espirrar sempre pela boca com todo o cuidado (possível, porque afinal de contas é uma situação bem rápida e que dificilmente controlamos); bebi muita mais água do que o normal e comi tudo frio e liquido!

Sim, essa parte também é chata porque não podemos comer quente, e evitar ao máximo mastigar!

Portanto alimentei-me á base de iogurtes, sopa fria, pão mole e batidos extra deliciosos que fui fazendo! Já partilhei algumas receitas. Adicionei a tudo o que podia ananás; os iogurtes eram todos de ananás… e isto porquê? Porque é sabido que o ananás é um potente aliado quando se pretende desinchar! E tudo o que eu queria era deixar de ter um nariz de batata! 😛

Como podem ver, tudo correu bem, porque eu também fiz porque corresse!

Tirar as talas

Aliás feliz fiquei quando ao 10ºdia fui tirar as talas! Esta sensação é de alivio profundo!!

Claro que faz alguma confusão, mas em 2 milisegundos a confusão é totalmente ultrapassada pela sensação de leveza, liberdade e bem-estar! Finalmente respiro!!!! 🙂

Depois disto é limpar o nariz com todo o cuidado e rigor e começar a fazer uma vida normal e muito melhor!!! 🙂

E escusado será dizer que todos os meus esforços viram a sua recompensa neste mesmo dia: assim que tirei as talas o meu nariz “voltou” ao seu tamanho normal! O ananás venceu! 😛

E eu estou muito feliz, ganhei qualidade de vida! 🙂 Voltei a respirar pelo nariz, não gasto o salário todo em lenços de papel; já não falo pelo nariz, nem parece que estou sempre constipada! E de extra ainda recuperei o olfacto!!! (quer dizer… esta parte nem sempre é boa, se é que me entendem! ) 😛

Esta foi a minha experiência; E vocês? Alguma de vocês já passou por isto?

Um beijinho Tiff

Partilha:

8 Comments

  1. 5 Janeiro, 2017 / 04:13

    O desvio de septo me deixou danos no meu corpo e no meu cerebro, tenho 17anos, ain me cinto tao feio, sou muito infeliz, alguem tem contado de algun especialista no facebook q me ajude antes da minha fase de crescimento acabe pf, obr!!!

    • 5 Janeiro, 2017 / 15:10

      Olá Renan, o que eu fiz foi uma septoplastia; não exterior. O que tu talvez precises seria mais no âmbito da rinoplastia. De qualquer forma o meu conselho é procurares um bom médico especialista ORL na tua aérea de residência; ou algures onde tenhas disponibilidade para te deslocares. É um processo demorado, antes de qualquer tipo de cirurgia; e com certeza o médico saberá orientar-te para o que melhor se aplica a ti. Um beijinho de boa sorte; e se for caso de seres operado força! 🙂

  2. Ana Marques
    21 Novembro, 2016 / 16:27

    Olà, foi 1 pouquinho chato mas portaste bem!!!
    O nariz está lindo.
    E valeu a pena, não é??
    BJ Grande

    • 21 Novembro, 2016 / 16:53

      É mesmo! 🙂
      Não me arrependo nem 1 segundo! 😛
      beijito

  3. Edina Puskas
    21 Novembro, 2016 / 13:50

    Um beijinho <3

Responder a Helena Raquel Cancelar resposta